Por que eu escolhi casar em Santorini?

Quando eu durmo a noite, eu constantemente sonho com Santorini. Não falo daquele “sonho acordado” que a gente vive vagueando para todo canto vendo o lado bom da vida. Não. Eu sonho mesmo, aqueles sonhos malucos que não são bons nem ruins, são apenas estranhos e cheios de mistérios. Noite passada, sonhei mais uma vez que estava na ilha. O dia estava claro e o céu estava totalmente azul. Meu amor estava dentro de um grande barco branco me esperando para a gente fazer mergulho em alguma quebrada maravilhosa da ilha que estranhamente eu não conhecia. No sonho, eu peguei uma mini motoca e fui dirigindo pelos campos verdes até um pequeno mini-market, onde parei desajeitadamente. Eu vestia um conjunto azul com detalhes brancos, da cor da bandeira da Grécia e não sei porque me lembro dessa roupa com tantos detalhes vívidos. Dentro do mini-market estava bem escuro e a minha vista demorou a se acostumar mas quando finalmente consegui enxergar, vi que bem na minha frente estava um homem que me era familiar mas que eu não saberia dizer quem é. E ainda não sei. Ele me pergunta o que eu estava fazendo ali e eu digo que precisava de máscaras de mergulho. Ele então enfatiza que está perguntando o que eu estava fazendo na ilha e eu respondo que estava viajando com meu amor (tudo isso em grego, olha gente que loucura, eu realmente sonho em outras línguas! ). O rosto familiar diz que não há máscaras ali mas que eu deveria continuar procurando na mesma estrada que mais a frente poderia encontrá-las . Quando eu saí do mini-market escuro e olhei para fora, vi de novo meu maridão acenando no barco e acordei.

A essa altura, você já deve estar pensando que eu sou uma louca mesmo. Louca pela ilha, romântica incurável, você deve se perguntar se eu não sou uma obcecada para voltar para viver lá, resolver os meus problemas e parar de falar da ilha nos meus posts (rsrsrs). Mas é que eu sonho com Santorini há muito tempo, há mais de dez anos, mesmo antes de me dar conta de que aquele lugar existia. Antes mesmo de viajar para a Grécia pela primeira vez eu sonhava com uma menina de vestido branco correndo em um campo com grama baixa. Ela corria, corria, corria e chegava em um penhasco onde muitos metros abaixo batia aquele mar azul. Se você já foi pelo menos alguma vez na ilha, sabe que lá não tem muitos campos e eu nunca tinha associado as duas coisas até que, muitos anos depois quando eu já morava em Santorini, depois de um verão escaldante, a temporada de caça começou. Foi então, espingarda na mão, eu que vi esse lugar pela primeira vez e me arrepiei só de lembrar que já tinha estado ali, pelo menos em pensamento. De lá para cá, foram muitos sonhos curiosos, muitas idas e vindas, alguns acontecimentos especiais e uma viagem inesquecível como a do nosso casamento. Eu quero voltar lá de novo, com meu amor, o quanto antes. E quem não quer? Santorini toca em nossas almas, faz alguma coisa com a gente que é difícil de explicar. E entra ano e sai ano, a ilha continua nos chamando, como uma mãe chama carinhosamente o seu filho, como se ainda houvesse muito o que se buscar. E talvez o que buscamos nunca será encontrado mas sempre vale a tentativa de mais uma visita. Como se um pedaço de nós ainda estivesse lá assistindo ao pôr do sol todo dia e talvez esse pedaço nunca mais queira sair da ilha. E é por isso que eu escolhi casar em Santorini.

Foto maravilhosa da Bianca Ramos, que conseguiu me clicar pensativa vestida de noiva caminhando pela Praia Vermelha, em Santorini ;)